quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Natal alemão e "Plätzchen"

O Natal alemão não existe sem um prato de "Plätzchen", que são bisocitinhos decorados, pão de mel, espécies de macarons e outras delícias além do Stollen. Quatro domingos antes do Natal são acesas as velas do Advento e neste momento estas delícias também são degustadas.

domingo, 13 de novembro de 2016

Stollen - a delícia alemã de Natal

Dezembro era a época em que a Minha mãe fazia Stollen. Stollen é o panetone alemão, servido na Noite de Natal. Seu formato dobrado, deve lembrar o Menino Jesus embrulhado numa manta. É uma espécie de pão fermentado que recebe no seu preparo leite, açúcar, manteiga, farinha de trigo, raspas de limão e vanilla, além disso, ainda vai casca de laranja cristalizada e cascas de frutas cítricas passas brancas e escuras, nozes, amêndoas, avelãs, castanhas e marzipan (opcional). Marzipan não era usado, pois era difícil de encontrar. Quando aquele pão dourado saia do forno, era todo besuntado com manteiga e polvilhado com uma névoa de açúcar. Dai ele devi ser comido apenas uns dois ou três dias depois, que é quando seu sabor ficava mais acentuado. Antes de propriamente se originar a receita tradicional do stollen, outras receitas o antecederam, e marcam historicamente o uso da manteiga no preparo de massas. Assim, a primeira notícia que se tem a respeito data de 1329, sob o nome de “Striezel”. Nesta época, a receita era bem mais simples, e dificilmente poderia ser chamada de iguaria, pois somente possuía em sua composição: água, farinha de trigo e fermento. O uso da manteiga era proibido pela igreja católica, somente era permitido o uso de óleo de nabo, que tornava a receita com sabor muito ruim, além de ser muito caro. No século XV, na Saxonia medieval (norte da Alemanha), foi um dos Príncipes do Sacro Império Romano da Nação Alemã, o Princípe Ernst e seu irmão, o Conde Albrecht, que decidiram se dirigir ao papado pedindo a suspensão de tal ordem. O Papo Inocêncio VII enviou uma carta ao Príncipe, conhecido como a "Carta Manteiga", que concedeu o uso da manteiga sem ter que pagar multa, benefício concedido somente para o Príncipe, sua família e pessoas serviçais do lar. Podemos ter uma recordação da petição destes dois nobre, pela resposta dada pelo Papa: "Mencionaram que em suas terras não crescem árvores oleaginosas, e que não possuem a quantidade necessária, assim como muito pouco e ainda por cima de mal odor, e que, pela qualidade inferior do mesmo, a sua população adoece das mais variadas enfermidades. Depois de muito refletir à respeito, estamos dispostos a autorizar e estabelecer, que suas mulheres, filhos, filhas, e todos os seus serviçais, assim como os seus criados, passam a poder utilizar sem pena de multa ou outras sanções o uso da manteiga". Mais tarde, porém, todo o restante da população foi autorizado a usar manteiga, mas com a condição de ter que pagar anualmente uma "doação" da vigésima parte dos lucros para apoiar a construção da Catedral de Freiberg. Quando o território de Sachsen (Saxônia) se tornou protestante, essas proibições foram removidas e todos puderam utilizar livremente a manteiga na fabricação de seus biscoitos, tortas e massas. Com isso o “Striezel” da receita inicial, passou de um pão seco e sem sabor, a receber a manteiga e juntamente outros ingredientes que o enriqueceram. Recebeu o nome de Stollen, A receita mais conhecida mundialmente é o de Dresden, na Alemanha, ela é muito antiga, e remete a 1450. Curiosamente, naquela época, procurava se dar diferentes significados religiosos no preparo de suas receitas. Assim temos, por exemplo: As panquecas que simbolizavam a esponja encharcada que ajudava a diminuir o suplicio de Jesus; e o pão pretzel, que simbolizava as amarras que Jesus teve que suportar no caminho do seu calvário. O Stollen, não poderia ficar para trás.O seu formato lembra Jesus envolto em panos, e portanto é costume servir o Stollen em épocas cristãs como o natal e a páscoa. Hoje o Stollen é conhecido mundialmente como uma iguaria que não pode faltar nas festividades natalinas. Além do recheio tradicional, outras sugestões acompanharam a evolução e a criatividade no seu preparo. Fonte: Padaria Christina - SP

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Farinhas ou como você pode se enganar!

Outro dia pensei em começar a fazer os modelos de cookies para o Natal. E só de pensar nisso fico com água na boca, lembrando das delícias que minha mãe fazia para o Natal quando era pequena. Aliás, o Natal alemão é muito bonito neste aspecto. Existem as feirinhas de Natal neste época do ano, algumas bem famosas, que vendem estas gostosuras, principalmente os chamados "gingerbreads". Tod mundo entra na maratona de fazer os biscoitos. Pois bem, lá fui eu comprar a farinha. E fui à loja que sempre vou, pois lá encontra-se de tudo para confeitaria. "Tem farinha?" "Ali no canto". Peguei a tal da farinha e fui. Fiz a massa, coloquei para descansar, abri e cortei os biscoitos. Assei. Tirei do forno. E... estavam uma pedra. Quebrei a cabeça, do que poderia ter acontecido. Acho que não se pode usar farinha de pizza (tipo 101) para fazer biscoitos. Mas, me corrijam se estiver errada.

sábado, 29 de outubro de 2016

A ciência da cozinha

Desde que eu resolvi começar a fazer cookies, venho descobrindo que estas pequenas delícias são, na verdade, grandes reações químicas! Se você pensa que é apenas misturar alguns ingredientes, está totalmente enganada. A maneira como se misturam os ingredientes, dão aos cookies um resultado sempre diferente.
Uma receita bem basiquinha, mas que funciona bem, é a fórmula 1 2 3: 100 g de manteiga 200 g de açúcar refinado 300 g de farinha de trigo comum essência de baunilha Bata todos os ingredientes no processador, até formar uma bola. Trabalhe apenas um pouquinho a massa e deixe descansando por 1 hora na geladeira, envolvendo a massa em filme plástico para não ressecar. Depois é só fazer bolinhas e colocar em forno de 180 por uns 15 minutos.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Halloween está chegando!

Embora o Halloween não seja uma festa brasileira, cada vez mais estamos comemorando esta data. Provavelmente, por causa das fantasias e do clima meio mágico de "Walking Death ". Então aproveitando este clima dark, por que não fazer uma sacolinha de Halloween e distribuir para as crianças (grandes e pequenas) neste dia?
Compre (ou faça) marshmallows, pirulitos e barrinhas de chocolate. Pegue uma sacolinha e coloque tudo dentro arrematando com uma fita preta ou roxa e faça a alegria da criançada!

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Mesa bem posta!

Mesmo no dia a dia uma mesa arrumada com carinho, pode fazer toda a diferença!
Estampa manual "Casinha" e "Coastal"

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Você também ama cookies?

Quando vejo um cookie decorado durante minhas viagens aqui na Internet, não fico com a boca cheia de água, mas de meus olhos saem estrelinhas. Que coisas mais lindas! São fadas que produzem estas belezuras! Tenho vontade de comprar todos eles e enfeitar a minha casa. E os chocolates então? As pessoas que os produzem devem ter um céu na alma, para fazer coisas tão pequenas e tão perfeitas! Estou descobrindo uma paixão escondida pela confeitaria. Fico pesquisando receitas de bolos, brownies, muffins e cupcakes. E, aí sim, tenho contade de comer todos. Aqueles doces que não tem cobertura, nem leite condensado. Que tem sabor de frutas frescas, dos melhores chocolates, de leite puro! Admiro os confeitados, mas quero mesmo comer os simples, que enchem sua alma de gostosura, que te fazem voar no sétimo céu! Confeitaria, me aguarde! Decorarei os cookies mais lindos, mas, para saciar a minha gula, apenas os bolos macios e recheados de sabor!

domingo, 8 de fevereiro de 2015

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015